Pedro Encerrabodes de Oliveira

Pedro Encerrabodes de Oliveira

Pedro Encerrabodes de Oliveira

Você conhece o Pedro Encerrabodes de Oliveira?

Especialmente se colocarmos o primeiro nome no diminutivo, certamente a grande maioria vai saber que estamos falando do neto de dona Benta, primo de Lúcia – a Narizinho do Sítio do Pica-Pau Amarelo, um menino bastante corajoso (a única coisa que bota medo nele são vespas), aventureiro, que mora na cidade e sempre passa as férias no sítio da avó com a prima, a boneca Emília, o Visconde de Sabugosa e outros personagens mágicos do universo lobatiano.

Dando sequência a nossa série de conhecer um pouco mais sobre a origem dos principais personagens criados por Monteiro Lobato, chegamos ao eterno menino Pedrinho, que acredita-se foi criado pelo escritor inspirado em suas memórias de si mesmo quando criança, vivendo uma infância saudável, brincando na fazenda com os filhos dos colonos, fazendo bonecos de sabugo de milho e tambem lendo em meio aos livros da biblioteca do avô, onde passava horas a fio.

Mas o nome do personagem, de acordo com o professor Osni Lourenço Cruz, em seu livro “Na trilha de Lobato entre as Serras”, teria sido uma homenagem a Pedro Luiz de Oliveira Costa, o Dr. Pedrinho, uma das figuras mais renomadas da política taubateana até hoje, de quem o escritor era primo por afinidade.Dr. Pedrinho foi vereador, prefeito de Taubaté, deputado estadual e federal. Ao longo de sua vida sofreu com muitos ataques racistas por causa da sua cor e assim como Lobato, pelo fato de ser filho da terra. Talvez por isso e tambem por ambos terem perdido os pais muito cedo, o escritor se identificasse com o Dr. Pedro Costa, ao ponto de homenageá-lo dando seu nome ao personagem.

No imaginário lobatiano, Pedrinho tem dez anos de idade, cabelos curtos, faz aniversário abril e aparece pela primeira vez no livro “Narizinho Arrebitado” na segunda historia , quando chega ao Sitio de ferias O personagem emerge mesmo a partir do livro infantil, O Saci”, publicado no final de 1921 pela editora da Revista do Brasil, quando o personagem passa então a fazer parte integral das aventuras do Sítio do Pica-Pau Amarelo.

Podemos descrever a personalidade de Pedrinho, de acordo com o autor, como sendo um menino curioso, ativo, autônomo, interessado por leituras diversas, que gosta de assuntos científicos, valorizado pela coragem, pela responsabilidade e pela honestidade. Pedrinho é um menino inteligente que reflete e questiona com argumentos a autoridade dos adultos e muitas vezes, nas obras pesquisadas, o personagem desobedece” o adulto. Ele também reflete a imagem de um personagem que valoriza a ordem e os deveres em suas relações sociais alem de respeitar muito a natureza, especialmente depois do seu encontro e “educação” com o Saci.

Em resumo, esse personagem, inspirado no próprio Lobato é uma mistura de valores lobatianos que o autor quis passar para as próxima gerações e tambem da idealização de das boas lembranças da infância de um menino que não envelhece com o tempo. Afinal não há modernidade ou recurso tecnológico que faça envelhecer a alma de uma criança.

“E que assim seja sempre”

 

REFERÊNCIAS:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Pedrinho#:~:text=Pedrinho%20foi%20retratado%20pela%2

https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/129472/327577.pdf?sequ

*Prof. Osni Lourenço Cruz – “Na trilha de Lobato entre as serras”

...........................................................................................................................................................

 

Monteiro Lobato mudou o próprio nome

Você sabia que antes de se chamar José Bento Monteiro Lobato, o pai da literatura infantil brasileira, que nasceu em 1882, se chamava José Renato Monteiro Lobato?

Pois é. Esse era o nome de batismo de Monteiro Lobato, que mudou o próprio nome aos 11 anos de idade, para usar uma bengala (acessório muito usado na época), que era de seu pai com as iniciais J.B.M.L. gravadas.

Essa é uma das histórias reveladoras contadas na biografia "Furacão na Botocúndia" (Senac), de 97, transformada em vídeo com depoimentos de escritores, imagens históricas e relatos do próprio escritor, que morreu em 1948. Esse documentário foi produzido pela Fundação Banco do Brasil e pela Odebrecht dentro do "Projeto Memória", que apresenta personalidades ou fatos históricos que marcaram o país.

O vídeo que conta a vida do escritor desde a infância até a sua morte, passando pelos livros e pelas lutas travadas por ele ao longo da vida, foi dirigido por Roberto Elisabetsky a partir do roteiro de José Roberto Torero e distribuído exclusivamente em escolas e bibliotecas.

 

Fonte:

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq10079923.htm