Animação do Sítio revive o sucesso do universo de Monteiro Lobato

Animação do Sítio revive o sucesso do universo de Monteiro Lobato

Animação do Sítio revive o sucesso do universo de Monteiro Lobato

Ao criar o Sítio do Pica-Pau Amarelo, Monteiro Lobato jamais poderia ter imaginado até aonde sua obra infantojuvenil chegaria. Mas o poder da sua comunicação extrapolou limites, avançou por gerações, segue despertando o imaginário do público e hoje ainda, provocando discussões em torno dos mais variados temas abordados pelo escritor no seu tempo.

Será que se vivesse nos dias de hoje os personagens do imaginário lobatiano seriam os mesmos ou seriam diferentes? Será que teriam aparência semelhante as que nós conhecemos?

A Globo estendeu os limites do imaginário de Lobato e em parceria com a produtora de conteúdos audiovisuais Mixer – hoje Mixer Films, a terceira mais premiada do mundo, produziu uma série de animação brasileira, baseada na obra do escritor. O objetivo era bem claro e lógico: adequar a comunicação visual do já consagrado Sítio do Pica-Pau Amarelo às crianças do início da segunda década dos anos dois mil. O público-alvo da atração tinha diminuído de idade e agora estava entre 4 e 10 anos de idade.

Com investimentos de R$ 4 milhões por temporada, sendo R$ 3 milhões por meio da Lei do Audiovisual, que permite a canais a dedução de parte do imposto pago. Até o início da produção, foram dois longos anos de negociação entre a Globo Marcas – que representava à época os herdeiros nas questões dos direitos sobre a obra de Monteiro Lobato – e a Mixer, até que o primeiro episódio, da primeira temporada estreasse na emissora no dia 7 de janeiro de 2012.

Joyce Monteiro Lobato, neta do escritor, e o marido Jerzy Kornbluh, estiveram envolvidos diretamente durante todo o processo de criação dos desenhos dos personagens e da elaboração dos roteiros da série animada para a Cartoon.

Assim, o universo mágico criado pelo escritor Monteiro Lobato, sucesso em suas várias versões dramatúrgicas desde 1952, voltava a fazer parte das manhãs de sábados dos brasileiros, agora em desenho animado.

Seguindo o padrão Global, os cuidados com a produção passaram por minuciosos detalhes, com atenção para que a obra não perdesse suas características tão bem delineadas. Assim os personagens foram na verdade adequados à linguagem visual da época.

Para cartoonizar do modo mais adequado os personagens do Sítio, a Globo realizou um concurso com dez finalistas para definir quem seria o desenhista da obra. O escolhido foi Bruno Okada, que apresentou os personagens com características que o diretor de licenciamentos da emissora à época, José Luiz Bartolo, chamou de traços globaiscom características da nossa brasilidade juntamente com traços de mangá o que eventualmente favoreceria o lançamento de produtos no mercado internacional. Em suma, os personagens do nosso cartoon seguiram a base dos animes japoneses: olhos grandes, ritmo acelerado e falas dinâmicas.

O projeto foi negociado para a América Latina, onde foi exibido em vários países, alem do Brasil.

Com um volume de produção de três episódios por mês, a parte mais difícil da produção, de acordo com Tiago Mello, diretor executivo da Mixer e Rodrigo Castilho, responsável pela adaptação do texto e pelo roteiro final, era transformar histórias de 40 minutos na TV em episódios de apenas 11 minutos, tempo médio da animação.

Com o mesmo tema original de Gilberto Gil na abertura, as histórias baseadas em Reinações de Narizinho, Viagem ao Céue Caçadas de Pedrinho, protagonizadas por Dona Benta, Tia Nastácia, Narizinho, Pedrinho, Emília, o Visconde de Sabugosa, Rabicó e a Cuca, como já citado, tinham que ser aprovados previamente pelos representantes da família de Lobato, Joyce e Jerzy, pais da escritora Cleo Monteiro Lobato, hoje a responsável pela atualização e tradução da obra do pai da literatura infantil brasileira