Semana Monteiro Lobato: 70 anos celebrando celebrando o pai da literatura infantil brasileira

Semana Monteiro Lobato: 70 anos celebrando celebrando o pai da literatura infantil brasileira

Semana Monteiro Lobato: 70 anos celebrando celebrando o pai da literatura infantil brasileira

A edição número 70 da ‘Semana Monteiro Lobato’, acontece entre os dias 19 e 24 de abril, no Museu Monteiro Lobato na cidade de Taubaté, no interior de São Paulo, onde nasceu o pai da literatura infantil brasileira!

A ideia de realizar uma semana dedicada à memória de Monteiro Lobato surgiu há muitas décadas em uma reunião do Rotary Club após uma palestra do professor Gentil de Camargo, sobre a vida e a obra do escritor. Em 1950 foi criada uma comissão especial, formada por um grupo de intelectuais taubateanos, com a missão de organizar a primeira Semana Monteiro Lobato presidida por Oswald Barbosa Guisard.

Com o ideia de dar uma dimensão nacional ao evento, os organizadores prepararam uma ampla programação que incluía a realização de concursos literários, a emissão de selos comemorativos, além da entrega de medalhas para homenagear algumas celebridades. Essa comissão planejava também adquirir o Solar do Visconde, onde Monteiro Lobato viveu e atualmente abriga o museu Monteiro Lobato.

Criou-se uma expectativa enorme em relação a presença de artistas conterrâneos do escritor, como Hebe Camargo, Amacio Mazzaropi, Alvarenga e Ranchinho, Alda Garrido, Chico Pelanca, Lia de Aguiar, Sílvio Vieira e Monte Cezar, todos Taubateanos famosos!

Dada a relevância do evento, o então governador do estado na época, Lucas Nogueira Garcês, confirmou sua presença.

Finalmente, três anos após ter sido idealizada em 1950, a primeira edição da Semana Monteiro Lobato foi realizada entre os dias 11 e 18 de abril de 1953. O objetivo desse primeiro evento era resgatar a importância e a contribuição do escritor para a formação de um pensamento genuinamente brasileiro e contou com a presença da esposa de Lobato, D.Purezinha e tambem de sua filha mais nova, Ruth Monteiro Lobato.

Entretanto nem tudo saiu conforme o planejado…

Monteiro Lobato sempre teve uma relação conturbada com sua cidade natal, fato que acabou causando alguns prejuízos a memória e  até ao boicote desta 1a SML por alguns setores da sociedade Taubateana. Por um lado havia um clima de animosidade entre a alta sociedade Taubateana que se sentia ofendida pelo livro “Cidades Mortas e por outro lado a igreja católica da época que acusava Lobato de propagandear o regime comunista e de ser má influencia para as crianças. Esses dois setores se colocaram contra a realização da homenagem ao escritor. Para reafirmar a sua contrariedade, todos os dias o clero ia à rádio para criticar Lobato, durante essa primeira edição da SML, no pátio de uma das escolas de Taubaté dirigida por membros do clero, livros do escritor foram queimados numa grande fogueira que dizem, lembrou uma cena medieval. Foi sem dúvida uma grande campanha promovida para aterrorizar e afastar o povo da celebração ao pai da literatura infantil. Acredita-se que para não contrariar os dirigentes católicos à época, o governador do estado de São Paulo, que havia confirmado presença, acabou não comparecendo ao evento desapontando os organizadores.

Mas mesmo assim com todos esses contratempos a 1a Semana Monteiro Lobato foi um sucesso e deu inicio a uma seria ininterrupta de celebrações anuais lideradas por 30 anos por Oswaldo Barbosa Guisard  que não so’ o presidente da comissão organizadora da Semana Monteiro Lobato por 30 anos mas tambem a pessoa responsável por salvar a chácara do Visconde, atual Museu Monteiro Lobato.

O Professor Osni Cruz faz im relato detalhado do encerramento da 1a Semana Monteiro Lobato em seu livro “Na Trilha de Lobato - A Ultima Alegria” : “As 10 da manhã, no Curso de Aplicação da Escola Normal Monteiro Lobato, foi inaugurado o retrato do escritor e patrono daquela unidade de ensino. Houve ali também, o ‘batismo’ de várias salas de aula com o nome dos personagens criados por Lobato, na presença de sua esposa dona Purezinha, da filha Ruth Monteiro Lobato e da pintora conterrânea, Georgina de Albuquerque, que também foi homenageada naquela oportunidade. O ponto alto do encerramento da primeira Semana Monteiro Lobato, foi iniciado com grande queima de fogos e depois marcado por um grande desfile, que começou na praça Barão do Rio Branco e percorreu as principais ruas da cidade, chamado de ‘marcha do fogo’, realizado em colaboração com o 5º Batalhão de Comando (BC), atual 5º Batalhão de Polícia Militar do Interior. O desfile foi acompanhado por dezenas de milhares de pessoas que lotaram as esquinas da cidade por onde o desfile passou e que aplaudiram entusiasticamente! Dezenas de bandeiras dos estados brasileiros e de países da América deram à marcha um tom de civismo e uma coloração de patriotismo. Um show pirotécnico iluminou o céu de Taubaté, encerrando a marcha pela cidade as 21 horas. Dona Purezinha, esposa de Lobato, protagonizou a última atividade daquela primeira edição da Semana Monteiro Lobato, presidindo a mesa de autoridade no Salão de Honras, ao lado do ministro Renato de Almeida e de outras autoridades”.

Uma “curiosidade” que mostra a influencia de Lobato e o medo das autoridades desta influencia:  todos os integrantes da Conselho permanente de organizadores da primeira Semana Monteiro Lobato foram fichados pelo DEOPS - policia politica da época e todos os discursos proferidos pelos conferencistas foram recolhidos como evidencia.

 

A IMPORTÂNCIA DA SEMANA MONTEIRO LOBATO

Setenta anos depois podemos verificar o incontestável papel da Semana Monteiro Lobato na preservação da memória do escritor. Celebrar Monteiro Lobato, principalmente nos dias de hoje, é um modo de reconhecimento da amplitude e da intensidade dos muitos temas, assuntos e fatos presentes em suas histórias, que nos permitem a discussão ampla, aberta e, por que não, profunda dos mesmos temas os quais acusam o autor. As polêmicas que o envolvem, tanto pelo conjunto de argumentos e exposições, quanto pela presença de seus livros nas mãos de crianças em pleno século 21, atestam a vitalidade de suas narrativas.

Toda a obra de Lobato é marcada pela criatividade, pela inventividade e criticidade.

A Semana Monteiro Lobato é também uma forma de se combater a tentativa de se ‘cancelar Lobato’ defendida por alguns que não se importam, como bem define o doutor em Literatura da Unesp, professor Thiago Alves Valente, “em queimar um ramo literário em que essa tríade – criatividade, inventividade e criticidade – constitui grande probabilidade de servir a consciências imbuídas de utopias ainda tão caras à sociedade do nosso tempo”.

 

SEMANA MONTEIRO LOBATO 2022

Com o tema “Recortes do Homem Lobato", a edição número 70 da Semana Monteiro Lobato, que vai destacar os outros atributos de Lobato, além de escritor, acontece este ano entre os dia 19 e 24 de abril, no Museu Monteiro Lobato, no Sítio do Pica Pau Amarelo, na cidade de Taubaté.

O evento que tem cunho artístico, cultural e pedagógico, conta com uma programação variada, gratuita e indicada ao público de todas as idades.

Confira a programação completa clicando aqui: (sugestão é inserir uma imagem do cartaz onde o leitor possa ser direcionado ou para a página do evento ou mesmo ampliar o cartaz e ler a programação).

..........................................................................................................................................................

REFERÊNCIAIS:

https://almanaqueurupes.com.br/index.php/2020/04/15/como-surgiu-a-semana-monteiro-lobato/

> “Na trilha de Lobato entre as Serras” – Osni Lourenço Cruz