Dia Nacional do Livro: Monteiro Lobato e a Evolução da Literatura Infantil

Dia Nacional do Livro: Monteiro Lobato e a Evolução da Literatura Infantil

Dia Nacional do Livro: Monteiro Lobato e a Evolução da Literatura Infantil

A Literatura Infantil no Brasil começou na segunda metade do século XIX. A forma como as histórias eram passadas de geração em geração, acontecia através das histórias contadas e recontadas por pessoas chamadas de “preto velho”. O apelido carinhoso indica os “contadores de histórias” tão necessários em diferentes âmbitos. Outro exemplo de histórias que atravessaram as décadas, é o folclore gaúcho com o Negrinho do Pastoreio e as histórias que vieram da Europa como os "Contos da Carochinha".

Em 1921, Monteiro Lobato presenteia o país com o livro “Narizinho Arrebitado”. Com uma técnica literária impecável, a maneira como as histórias são contadas para as crianças ganham um tom lúdico ideal para conscientizar sobre o mundo. Lobato deu as diretrizes para as próximas gerações de escritores que trabalhavam e trabalham com a Literatura Infantil.

Ele criou um universo encantador que atraía crianças de todas as idades. O folclore, o nacionalismo, a linguagem, os comportamentos e a relação com a natureza podem ser considerados as espinhas dorsais de toda sua obra. E Lobato já deu voz aos contadores de histórias, criando o sábio Visconde de Sabugosa.

Em 1931, "Narizinho Arrebitado" se transforma em "Reinações de Narizinho". Nos anos 60 e 70 a Literatura Infantil se torna pauta séria, e as instituições começam a entender a importância da leitura e do livro infantil para as crianças. A Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil foi uma dessas instituições que lutou pelo envolvimento das crianças com a literatura.

Com a valorização da criança, surgem os textos adaptados a elas e até mesmo os livros adultos tomam forma de livros infantis, marcando o início da formação de leitores ainda com pouca idade. Foi criado, então, um Tratado de Pedagogia, que assegurava a educação infantil e adulta. A educação perde sua inocência e a escola passa a ser atuante na formação dos cidadãos.

E claro que com um maior número de leitores, surge a necessidade de mais e mais livros para as crianças. Como elas possuem um foco que facilmente muda de direção, os livros tinham que chamar a atenção, baseadas no mundo do faz-de-contas. E Monteiro Lobato conseguiu conciliar todas as necessidades dos pequenos.

Através do seu universo imaginário, Lobato leva até as crianças os fatos políticos-econômicos-sociais que envolviam a vida, naquela época, no Brasil. Um exemplo é o mais famoso de todos, “O Sítio do Picapau Amarelo”, que mostra através de livros como "O Poço do Visconde" a sua revolta com a maneira como acontecia a exploração do Petróleo na época.

Através de suas personagens cativantes, Lobato dizia tudo aquilo que sentia que precisava dizer de uma maneira que não expunha sua imagem. A Emília, por exemplo, é a voz do escritor contestador e que sempre procura maneiras de reinventar não apenas a natureza, mas todo o planeta.

Com Dona Benta, Tia Nastácia, Tio Barnabé, Pedrinho, Narizinho, Emília, Visconde de Sabugosa, Quindim e Rabicó, Lobato formou diversas gerações com um senso crítico muito mais apurado do que as crianças que, até sua reestruturação, não compreendiam o mundo da mesma maneira que as que vieram após o escritor.

O folclore nacional ganhou palco e respeito. Seres fantásticos como o Saci, a Cuca, a Mula-sem-cabeça, a Iara, o Lobisomem e tantos outros levam os leitores a conhecerem mais da cultura brasileira e a importância dos cuidados com a natureza. Toda obra que gera magia e sonhos, é caracterizada como Literatura Infantil. E Lobato fez com grande competência.

Hoje em dia, essa magia se perdeu. Temas polêmicos e personagens sem nenhum encantamento invadem os livros das crianças. Sendo assim, é fundamental sair em defesa de um sítio mágico, com boneca falante e sabugo de milho que conta histórias. Onde tem menino tão explorador quanto Marcopolo e uma vovó sempre disposta a amar e cuidar.

Monteiro Lobato é considerado o pai da Literatura Infantil brasileira e não poderia ter um "título" diferente. Seus livros eram verdadeiras moradas, cheias de revoluções e lições para todas as pessoas do mundo. Foram mais de quatro mil e seiscentas páginas somente para as crianças. Uma obra-prima que merece todo o reconhecimento.

Se comunicar com crianças é como se comunicar com adultos, dadas as devidas proporções. As ideias precisam ser transmitidas, as mensagens precisam ser passadas mas com complexidade diferente. É assim que se formam seres humanos. A literatura precisa causar sensações, emoções, imaginações em todos. Em especial, no que tange as crianças, elas precisam tocar o coração, cumprindo a função verdadeira da Literatura.

Por mais Lobatos para esses pequenos humanos que, com as diretrizes corretas, vão transformar o mundo em um lugar muito melhor e mais justo para todos.