Saci-Pererê: Representante das Pessoas com Deficiência na Literatura Infantil

Saci-Pererê: Representante das Pessoas com Deficiência na Literatura Infantil

Saci-Pererê: Representante das Pessoas com Deficiência na Literatura Infantil

Por: Gisele de Luna

Na literatura infantil a representatividade importa sim! E deveria ser amplamente explorada com o intuito de gerar maior e melhor visibilidade acerca da diversidade humana, o que facilitaria e muito a vida de milhares de indivíduos que por não serem típicos, acabam por serem segregados ou sofrerem as consequências de uma sociedade inculta e não inclusiva.

The Saci, Artur Mello Lattaro - Personal 3D

Encantada com o mundo da fantasia que os livros trazem para as pessoas, em especial às crianças, é possível contextualizar a importância da representatividade de todos seja nestes ou na vida cotidiana.

Em especial as crianças percebem  o quanto a representação traz sentido para a sua vida, quando elas conseguem a partir do outro compreender-se  fazendo parte de algo maior que elas, ou melhor, pertencente ao mundo, e assim sendo se relacionam e convivem melhor com este mundo por sentirem-se efetivamente fazendo parte.

Desse modo, podemos dizer que a criança estabelece as relações, possivelmente de modo mais saudável, por esta percepção colaborar para a geração de sua auto-imagem, além de fortalecer a sua auto-estima.

De uns tempos para cá, as mídias principalmente, tem atribuído maior espaço para que esta representação tão gritante e almejada ocorra, promovendo-a em comerciais, como também em sua programação esta tal representatividade. Outro ponto de destaque se dá as empresas de brinquedos que tem desenvolvido projetos que acolhem a diversidade, atribuindo riqueza na existência, por exemplo, de bonecas usuárias de cadeiras de rodas, negras, como cabelos crespos e encaracolados.

A literatura infantil também deveria colaborar mais para este processo, e sim, tornar-se mais atrativa ainda. Dito isso, através da leitura podemos avançar mais, aprender mais sobre temas que até então são deixados de lado, sem a devida atenção, todavia importantes. 

De uns tempos para cá, as mídias principalmente, tem atribuído maior espaço para que esta representação tão gritante e almejada ocorra, promovendo-a em comerciais, como também em sua programação esta tal representatividade. Outro ponto de destaque se dá as empresas de brinquedos que tem desenvolvido projetos que acolhem a diversidade, atribuindo riqueza na existência, por exemplo, de bonecas usuárias de cadeiras de rodas, negras, como cabelos crespos e encaracolados.

A literatura infantil também deveria colaborar mais para este processo, e sim, tornar-se mais atrativa ainda. Dito isso, através da leitura podemos avançar mais, aprender mais sobre temas que até então são deixados de lado, sem a devida atenção, todavia importantes. 

Devemos praticar mais, a pesquisa, o estudo antes mesmo de nos pronunciarmos acerca de determinado assunto, tema. Monteiro Lobato nos mostra isso com muita propriedade, nos ensina que, quando ao desejar falar sobre o Saci em suas obras, questiona publicamente sobre a origem do mesmo, buscando compreender a visão que o mundo tinha acerca deste ser tão intrigante. E lá, no livro de Monteiro Lobato  Saci-Pererê: resultado de um inquérito, temos acesso a inúmeros depoimentos que vão desde professores, psicólogos, leitores, pessoas letradas, outras nem tanto etc.

Quando vemos o Saci, tão inteligentemente explorado por Monteiro Lobato, é possível compor que o mesmo exerce um papel fundamental no que se refere a representatividade de pessoas negras, mas também aquelas que possuem alguma deficiência, como o fato do moleque Saci, ter um perna amputada. E sua condição não impede que ele reine, que ele apronte, brinque, interaja  fortemente com os demais. Demonstre sua inventividade e agilidade, ao locomover-se tão habilmente. Sim, é certo que para muitos, ele é um danadinho, mas psicologicamente falando agora, ele traz a vivacidade para aqueles que muitas vezes percebem-se como incapazes por possuírem uma deficiência, e não obstante aos demais que acabam por assistir as inúmeras habilidades e competências que o danadinho tem  e que sobressaem a sua condição física.
 

Dizem os amigos que esse tal Saci é filho do vento, só quer brincar. Nunca fez mal a alguém, mas que existe é verdade."

Depoimento de Manoel da Barroca, pág. 30 
 

Grande parte das características levantadas deste perneta pertencente ao folclore brasileiro, são positivas: duende genuinamente nacional, vivaz, inteligente, bom cavaleiro, protetor de ninhos de passarinhos, forte, entroncado, travesso... Em contrapartida, é certo também que existem pontos críticos que assustam e trazem a tona certa perversidade em suas ações. Mas, mesmo assim, Monteiro Lobato, nos evidencia o que há de melhor do Saci, bem elucidado em sua obra, trazendo o levante de conhecermos mais sobre nós mesmos e alcançarmos assim a independência cultural. Temos tantas histórias incríveis da nossa cultura deixadas de lado, para enaltecermos as princesas de outros reinos, por exemplo. 

Há, no Brasil, muita coisa digna de ser estudada pra justa contribuição do nosso folclore.

Depoimento de André Capeta, pág. 31 
 

Outro aspecto relevante que cabe a reflexão, o Saci não nasceu com a deficiência, ela foi adquirida em vida, algo que pode ocorrer com todos nós, pelo simples fato de estarmos vivos e existirem muitos riscos nesta aventura. Inclusive, na série brasileira Cidade Invisível, o Saci é um escravo fujão, que após ser açoitado, é mantido acorrentado em uma de suas pernas, e ele escolhe por cortá-la com o facão, para conseguir fugir daquela realidade,  a escravidão. Corajoso. Sobrevive. E o curioso é que neste caso, vemos a deficiência como libertação. Ou melhor, o fato de se tornar um perneta, uma pessoa com deficiência disponibilizou a ele o mundo, representando a resistência, rebelião, liberdade... 

Seria de bom tom que essa prática ocorresse em todas as circunstâncias com a intenção de promovermos a aceitação das diferenças do outro, através do respeito e entendimento sobre.  Creio que assim teríamos muito menos preconceito e discriminação presentes em nossas vidas.  O mundo seria menos cruel e horrível, com aquilo que é diferente do que sou ou penso. 

A riqueza de todo este estudo se dá por conseguir captar que na visão do autor, a pessoa vem primeiro, e depois a sua deficiência. Traduzindo claramente que independentemente das diferenças, somos indivíduos no mundo, com o mundo, em que a diversidade deve ser respeitada, a partir do exercício da cidadania consciente, agindo empaticamente na construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

E que venham novos pensares e mais "Sacis" em nossa Literatura Infantil. É isso aí!

 Gisele de Luna, Psicóloga, Cerimonialista, Recreadora Educativa, Mãe típica e atípica. Especialista em Educação Especial com ênfase em Deficiência Intelectual, Física e Psicomotora. Empresária, acredita que "Em um mundo plural tornar um evento único é o seu desafio."