Monteiro Lobato na cabeça

Monteiro Lobato na cabeça

Monteiro Lobato na cabeça

Por: João Luís Ceccantini

Segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil (a mais ampla que se faz sobre o assunto no país), grande parte dos leitores brasileiros aponta Monteiro Lobato como seu escritor mais admirado ou aquele de que mais gosta.E por que essa escolha? Alguns diriam, de pronto: “porque se trata de um clássico”. Certamente, Lobato se tornou um “clássico”, mas colar, hoje, essa etiqueta ao autor, ainda que dê ideia do prestígio de que sua obra usufrui nos mais variados círculos de leitores – dos leigos aos especializados – oferece o risco, talvez, de percebê-la por uma perspectiva simplista. Se, de um lado, fortalece a ideia pertinente de que a literatura de Lobato influencia, de forma marcante, os autores que o sucedem e de que integra um patrimônio cultural que efetivamente vale a pena conservar e transmitir de geração a geração, de outro, pode transformá-la apenas em um conteúdo a mais entre outros, a ser “transmitido” a todo custo aos alunos.E nada trairia mais o espírito da literatura de Lobato do que abordá-la desse modo. O escritor, como poucos, sempre defendeu com muita convicção a liberdade do leitor, seu direito de gostar ou não gostar deste ou daquele livro e mesmo de rejeitar um autor que considerasse maçante ou tolo, ainda que se tratando de um medalhão das letras.*Professor de Literatura Brasileira da UNESP/ FCL Assis.Se a literatura de Lobato tem resistido bravamente ao tempo é porque conta com um pelotão de “leitores-mediadores” que a defendem e a promovem com garra. Leram Lobato geralmente na infância ou na juventude, e ficaram encantados pela literatura do escritor. Vivenciaram uma experiência de leitura impregnada de afetividade que deixou fortes marcas na memória, tornando-os profundamente convencidos de que vale a pena ler a obra desse autor original – e assim, querendo muito compartilhá-la com outros leitores.

Avós, pais, irmãos, primos, tios, amigos, bibliotecários, escritores, artistas e, claro, professores têm se empenhado em levar as novas gerações a conhecer a obra de Lobato. Isso é o que, acima de tudo, a tem mantido viva nos corações e mentes de leitores de sucessivas épocas.Esses “leitores-mediadores” fazem isso porque, na essência, se tornaram leitores apaixonados pela obra do escritor, encontrando nas páginas de Lobato um universo dos mais ricos, capaz de incendiar a imaginação, de provocar o riso, de alimentar o intelecto, de despertar o senso crítico, de multiplicar sentidos. Isso, para dizer o mínimo.No vigoroso projeto literário do escritor, um dos principais tópicos que têm sido destacados é a revolução realizada no que diz respeito à representação da infância. Até Lobato, as crianças eram representadas na literatura infantil brasileira, de um modo geral, de forma bastante artificial, com a finalidade primeira de promover modelos de educação, de “bom comportamento”, de valores morais etc. Em realidade, as personagens infantis antes dele, com raras exceções, constituíam um pretexto para promover valores adultos numa literatura de cunho edificante, não permitindo maior identificação dos leitores infantis com o texto que era a eles destinado. Lobato rompe radicalmente com os padrões, estereótipos e clichês associados a essa “literatura embolorada” e tira de cena as crianças modelares, submissas aos adultos e deles dependentes. Apresenta-nos a boneca-moleca, Emília, definida por si mesma como a “Independência ou Morte”, assim como dá vida aos destemidos aventureiros Narizinho e Pedrinho.

São personagens flagradas em imensa liberdade, distantes que estão de pais e mães, porque é sempre tempo de férias num sítio, em que os adultos presentes – Dona Benta e Tia Nastácia – não assumem a sisuda máscara da autoridade repressora.Outro aspecto fundamental na obra de Lobato é o modo especial como o autor lidou em suas narrativas com o trânsito que as personagens fazem entre a realidade e a imaginação. À medida que o escritor foi desenvolvendo sua obra, cada vez com maior ousadia, foi dissolvendo quaisquer fronteiras entre o real e o imaginário, permitindo aos integrantes do Sítio do Picapau Amarelo a ruptura radical com as coordenadas espaciais e temporais, bem como com as surradas convenções da literatura dita “realista”.Nessa obra de alta carga imaginativa, lógicas paralelas são construídas no mundo da fantasia pelo qual circulam as personagens do Sítio, o que lhes confere (e ao leitor) uma carga de liberdade como até então não se tinha visto na literatura infantil brasileira. Lobato constrói, assim, uma obra vibrante, em que o recurso ao pó de pirlimpimpim ou ao “faz de conta” propiciam uma experiência única à “turma do Sítio”.

É importante frisar, entretanto, que em Lobato a fantasia não é sinônimo de alienação; ao contrário, cria tensões fecundas com a realidade, que, em geral, propiciam uma visão original e crítica do meio. Aliás, as narrativas de Lobato estão sempre empenhadas em valorizar a emancipação, a curiosidade e a autonomia das crianças tanto frente aos adultos quanto às instituições sociais e às convenções, colocando a realidade prosaica continuamente em xeque. Sua literatura é feita de representações que rejeitam as soluções simplórias, o maniqueísmo e as ideologias, promovendo antes o questionamento contínuo de valores, a reflexão e, por vezes, até mesmo uma postura iconoclasta.Enfim, no conjunto, o universo literário inventado por Lobato constitui um irresistível convite à leitura para pessoas de todas as idades. Esses leitores, por sua vez, convertem-se em potenciais mediadores para novos leitores, instaurando um movimento contínuo, como poucas vezes se tem visto na cultura nacional. Tal fenômeno, pelo que os dados indicam, não tem permitido que o leitor brasileiro de sucessivas gerações tire Lobato da cabeça. O que, diga-se de passagem, é ótimo! Que assim se faça por muito tempo...