Dia do livro infantil com Cleo Lobato

Dia do livro infantil com Cleo Lobato

Dia do livro infantil com Cleo Lobato

Especial Semana Monteiro Lobato no Dicas de Roberth - Dia 18/04/2021

Fonte: Dia do livro infantil com Cleo Lobato - O Maringá (omaringa.com.br)

Eu basicamente li todos os livros infantis e a maioria da coleção adulta. Em casa minha família era contra ter televisão. Então custei muito a ter o hábito de ver TV. Quase não assisti ao Sítio da televisão, nenhuma das séries… pois além de não ter o hábito, nessa altura já estava fazendo faculdade, namorando e casando. Mesmo assim minhas personagens preferidas das séries de TV são a Emília e a Cuca.

Agora dos livros eu sempre fui fã do Hércules! Sempre adorei mitologia Grega. Fomos a Grécia duas vezes! Visitei o palácio do Rei Minos.
O que mais me impressionava na obra de Lobato quando eu era criança era como era divertido aprender! Imagina que eu li até Aritmética da Emília e Emília no País da Gramática e achei maravilhoso! Hoje em dia me impressiona como Lobato trata de situações complexas e difíceis nos seus livros que são “infantis”. Por exemplo em Reinações de Narizinho, Emília fala sobre morte, ou melhor o “assassinato” da vespa pela Narizinho. Assassinato este não intencional (Narizinho mordeu a jabuticaba e matou a vespa) mas mesmo assim a vespa sofreu (Emília descreve detalhadamente o sofrimento da vespa) e morreu…olha que assunto complicado! Que oportunidade para se iniciar uma conversa sobre o que é morrer (tem toda uma longa descrição do enterro da vespa) e se existe matar alguém sem intenção…

Esse último ano, com a pandemia, tem sido muito difícil. Estava acostumada a viajar para o Brasil e ver minha mãe a cada três meses, mas agora já faz um ano inteiro que não a vejo. O interessante é que a pandemia impulsionou a minha presença virtual e o meu trabalho com Monteiro Lobato. Antes era complicado eu não estar fisicamente no Brasil, mas durante este ano tudo passou a ser virtual. Pude até organizar um evento virtual de três dias de duração com mais de 700 inscritos celebrando o primeiro livro infantil de Monteiro Lobato – A Menina do Narizinho Arrebitado – que aconteceu em Dezembro do ano passado.
Tivemos nove mesas redondas com os principais estudiosos de Lobato, falando de tradução, da influência de Lobato e mil outras coisas. Se quiserem ver está tudo disponível no YouTube Lobatocomvc e no site www.Natrizinho100anos.com

Há anos que penso em trazer Monteiro Lobato para os EUA mas este pais é muito insular e eu tinha dúvidas se os Americanos se interessariam em ler Lobato, mesmo ele sendo tão importante no Brasil. Curiosamente o que descobri é que existe um contingente muito grande de Brasileiros imigrantes igual a mim que estão criando filhos bilingues (ou estão tentando) e querem Lobato em Português nos EUA. Inversamente também descobri que existem Brasileiros no Brasil, criando filhos bilingues e querendo Lobato em Inglês!

Após descobrir meu público foi que eu iniciei esse processo de adaptação e tradução da primeira história do livro Reinações de Narizinho que se chama Narizinho Arrebitado-livro 1 e saiu em Dezembro de 2020.
Ao se traduzir um livro necessariamente a obra passa por uma adaptação, pois está havendo uma transposição de uma cultura para outra cultura. Esse processo de tradução junto com a minha vivência de 23 anos aqui nos EUA e o fato de ter conhecido minha editora, Nereide Santa Rosa (outra brasileira que emigrou para os EUA) foi o que me impulsionou a fazer a adaptação em português e lançar Monteiro Lobato nos EUA e no Brasil em Inglês e Português e com ilustrações novas.

Na adaptação que fizemos, Tia Nastácia ganhou nova roupagem, não só externa, mas também interna. Esse foi o único ponto da obra de Lobato que eu e minha editora decidimos que era necessário modificar. Decidimos que Tia Nastácia, o único personagem afro-descendente além do Saci e o Tio Barnabé, na obra de Lobato, precisava ser atualizada para que os livros do meu bisavô continuassem a dialogar com o mundo atual. Também para que seus livros continuassem a ser lidos pelas crianças de hoje e continuassem a criar leitores pensantes como fazem há 100 anos. Tia Nastácia original não reflete mais o papel do negro na sociedade Brasileira. Já se foi o tempo em que na TV, nas novelas, só havia espaço para atores negros representarem empregada/os. Mesmo na adaptação da televisão da TV Globo Tia Nastácia ainda era a ex-escrava, empregada que cozinhava bem e ajudou D. Benta a criar Narizinho. Na adaptação que fizemos alteramos Tia Nastácia para o presente onde ela é amiga de infância de D. Benta e mantivemos todo o resto: quituteira, a pessoa que simboliza o conhecimento do folclore brasileiro, a pessoa que dá colo e amor quando as crianças se machucam…eu acho que essa modificação reflete a evolução da sociedade Brasileira.

Nossa Tia Nastácia também tomou uma injeção de orgulho no visual que o ilustrador Rafael Sam, do Recife criou para ela. Tem sido fundamental a participação do Rafael Sam com as novas ilustrações para criarmos a nova Tia Nastácia que tem orgulho das suas origens africanas. Os livros de Lobato se passam num universo de fantasia que retrata o interior do Vale do Paraíba no período após a abolição da escravidão. Agora com a adaptação que fizemos esse universo fantástico passa a existir num nível atemporal onde os personagens do Sítio vivem suas aventuras, interagem com o mundo e aprendem sobre a vida.
Na adaptação que fizemos colocamos um prefácio explicativo além de um glossário com definições das palavras em desuso. Acho importante para os leitores saberem que houve escravidão no Brasil, que o sistema capitalista do Brasil colônia e do Brasil Império foram baseados no trabalho escravo e que essas condições sócio-econômicas evoluíram até os dias de hoje. Apesar de grandes conquistas em todos os níveis ainda é necessário mais progresso para se ter um Brasil com maior igualdade socio econômica para todos.
O que mais me fascina na biografia do meu bisavô era sua capacidade de sonhar grande e de sempre rever suas opiniões. É absolutamente inacreditável como Lobato, ao herdar a fazenda São José do seu avô, o Visconde, parte para modernizar o sistema de plantio e colheita. Minha bisavó, Purezinha tratava dos colonos com homeopatia! É de conhecimento de todos que Lobato ficou horrorizado com a apatia do colono e escreveu Jeca Tatu. Depois foi pesquisar as causas da tal apatia e descobriu que a culpa não era do Jeca, mas sim da verminose que sugava o Jeca e o deixava assim! Então, não contente em somente denunciar a situação ele se alia a Candido Fontoura, criador do Biotônico Fontoura e cria a maior campanha publicitária para resolver o problema da verminose do homem do campo! Lobato parece não ter a noção desses limites, e achar que pode resolver o problema de todos e do Brasil…depois foi a vez de Petróleo e ferro. Ele realmente se esforçava para resolver os problemas do Brasil – e pensava sempre nesses termos monumentais e ia atrás com uma perseverança, energia e tenacidade incríveis!

Eu acredito, igual Lobato, que um país se faz com homens e livros, mas também professores bem pagos.. É fundamental termos pessoas que saibam ler, entender e discutir situações complexas. E isso só se consegue com um bom sistema de ensino onde o professor seja valorizado e bem pago para poder fazer seu trabalho de formação dos alunos.
Narizinho Arrebitado-livro 1 está disponível no Amazon.

Dicas de Roberth em parceria com Mundo Geek e O Maringá agradecem por fazer deste dia muito mais especial com leitura e esperança para todo o povo brasileiro.

Viva Monteiro Lobato! Viva o livro infantil em todo lar de nosso Brasil!