Lobato: uma discussão infindável, porém necessária

Lobato: uma discussão infindável, porém necessária

Lobato: uma discussão infindável, porém necessária

AUTOR: CLEO MONTEIRO LOBATO

DATA ORIGINAL: JANEIRO DE 2021

FONTE: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2021/01/lobato-uma-discussao-infindavel-porem-necessaria.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwa

O editorial "O racismo de Lobato", publicado nesta Folha em 27 de dezembro último, afirma que a discussão sobre a presença de racismo na obra de Monteiro Lobato é infindável —e concordo. Quem quiser ver racismo nos seus livros pode sempre os encontrar.

Mas discordo absolutamente da conclusão de que a obra deva ser esquecida. Monteiro Lobato é o pai da literatura brasileira infantil, além de ser uma das mais importantes figuras históricas nacionais.

Seus livros infantis estão no imaginário e no emocional deste país há mais de 60 anos. Os benefícios de se ler Lobato, hoje em dia, continuam enormes. A leitura de Lobato gera crianças com imaginação fértil, que passam a ser amantes da leitura, atuantes, contestadoras e com pensamento crítico. Lobato abre as portas de possibilidades infinitas em nossas vidas.

Não desejo simplesmente “ajustar a obra para nenhum ideal político”, como diz o editorial, mas sim absolutamente influenciar positivamente o pensamento das próximas gerações de leitores pelos próximos cem anos, assim como meu bisavô fez com as gerações passadas.

Também concordo quando o editorial afirma que não se deve simplesmente apagar os trechos problemáticos de uma obra e sim usá-los para iniciar discussões de temas atuais. Por isso, junto com a minha editora Nereide Santa Rosa, da Underline Publishing, decidimos colocar um prefácio explicativo dirigido aos pais e educadores convidando-os a fazer exatamente isso —além de, ao final do livro, um glossário sobre as alterações feitas e as definições dos termos em desuso.

Os livros do meu bisavô, com sua revisão final de 1947, continuarão à venda pela Globo, editora autorizada pela família, desde 2007, a publicá-los. Em 2019, a obra do escritor caiu em domínio público e qualquer editora pode, desde então, publicá-la, alterando-a com notas explicativas, como já foi feito diversas vezes.

E agora, com a minha nova adaptação em português e a tradução para o inglês, os pais têm também a opção de lerem para seus filhos livros onde Tia Nastácia é tratada como todos os outros personagens, com respeito e dignidade. Essa mudança é claramente presente nas ilustrações de Rafael Sam, ilustrador recifense, a quem eu pedi para criar a Tia Nastácia do jeitinho que ele gostaria de mostrá-la para seus filhos.

CRÉDITOS E FONTE: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2021/01/lobato-uma-discussao-infindavel-porem-necessaria.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwa